HOME Turismo Folguedos Sumulas & Leis Novos Autores Voluntários Fale Conosco COLUNISTAS CONTRIBUA

Gazeta Valeparaibana

"Analfabeto não é aquele que não aprendeu a ler. Analfabeto é aquele que aprendeu a

ler e não lê."

Mário Quintana

Onde estamos: São José dos Campos - SP - Brasil

DESIGUALDADE DE RIQUEZA E DESEQUILÍBRIO DE PODER:

UMA CRISE GLOBAL

 

A desigualdade de riqueza vem se tornando cada vez mais atual ao longo dos anos. Apesar do fato de a mídia corporativa ter publicado centenas de artigos sobre o assunto, muito poucas tentativas foram feitas para entrar na mecânica real desse fenômeno e tentar explicar a teoria por trás dele. Tentamos preencher humildemente as lacunas e fornecer um contexto mais amplo para o problema.

Há uma velha piada dizendo que, em vez de ajudar os pobres, socialistas e comunistas sempre lutaram contra os ricos. Essas piadas podem ser engraçadas, mas há também uma realidade que gera a teoria das formas: você não pode ter pobres se não tiver riqueza. E vice versa.

“Rico” e “pobre” são os termos usados ​​para comparar as pessoas umas às outras em termos de riqueza. Se todos são ricos em qualquer sociedade, ninguém é.

Quando a diferença de riqueza entre as pessoas cresce significativamente, ela se transforma em poder. Se um milionário, por exemplo, não quiser limpar seus banheiros, ele pode contratar pessoas com menor status socioeconômico para fazer isso por ele. Ele pode exercer o poder de sua riqueza sobre as pessoas mais pobres e fazê-las fazer o que ele quer. No entanto, se esse milionário viver em uma cidade hipotética, onde todos são milionários, ele não poderá contratar ninguém para fazer tal trabalho, porque todos teriam a mesma quantidade de energia, então ele teria que limpar seus próprios banheiros. ou trazer pessoas de regiões mais pobres e pagá-las para fazê-lo.

À medida que a diferença na riqueza aumenta, o mesmo acontece com o poder dos ricos sobre os pobres. Um bilionário que vive num país relativamente pobre pode dobrar toda a sociedade subornando / fazendo pressão a políticos e legisladores, mudando o sistema legislativo e introduzindo leis e regulamentos que beneficiariam os seus negócios e a si próprio à custa das pessoas comuns. O mesmo princípio se aplica a corporações grandes e ricas. Entidades excessivamente ricas que estão situadas em sociedades relativamente pobres podem facilmente acabar com qualquer crime, pois têm a capacidade de subornar as autoridades e comprar todo o aparato legislativo.

Circulam rumores de que David Rockefeller, que morreu no ano passado, teve 7 transplantes de coração em vida, e que ele recebeu seu último quando ele já tinha mais de 100 anos de idade (ele morreu aos 101 anos de idade). Se esses rumores são verdadeiros, é realmente perturbador, considerando que os lares (e órgãos humanos em geral) são um recurso extremamente limitado e valioso, sendo o processo de seleção dos candidatos ao transplante estritamente regulado (por exemplo, transplantes de coração não são dados àqueles que são mais de 70 anos e para aqueles que têm outros problemas de saúde significativos, porque suas chances de sobrevivência são muito baixas, independentemente da condição cardíaca). Todo transplante de coração dado a David Rockefeller é uma vida humana que poderia ter sido salva legitimamente. Além disso, considerando que David Rockefeller já estava muito velho quando supostamente estava recebendo esses transplantes, os corações deveriam ter sido especificamente selecionados para serem altamente compatíveis com seu sistema (caso contrário, os tecidos poderiam ter sido rejeitados por seu corpo), o que nos leva a algumas especulações perturbadoras de que a extração de órgãos negros estava envolvida no processo, o que, mais uma vez, demonstraria o excesso ao qual indivíduos super-ricos podem abusar de seu poder.

A diferença de riqueza, obviamente, cria a segregação social, que, com o tempo, os cimentos na cultura e até mesmo na biologia (os ricos normalmente querem se casar e ter filhos com outras pessoas ricas). Veja a Índia como um excelente exemplo, onde pessoas foram separadas em diferentes castas por milênios. Essa segregação social resultou em diferenças étnicas / genéticas entre diferentes segmentos da mesma sociedade, com brâmanes e dalits (os “excluídos”, ou “intocáveis”) tendo, entre outras coisas, diferentes cores de pele. E, embora esse tipo de hierarquia social fosse adequado para o seu tempo, permitindo que os indianos criassem uma das civilizações mais avançadas do mundo no primeiro milênio aC, esse sistema perdeu quase toda a sua potência no final da Idade Média, deixando a região indefesa contra mais poderes capitalistas / coloniais imperiais avançados que lutavam pela hegemonia mundial.

Pesquisas vêm mostrando há décadas que países com grandes diferenças entre ricos e pobres são muito propensos à corrupção e têm níveis mais altos de tensão social, o que, obviamente, não contribui bem para a estabilidade social. Os países onde os muito ricos dominam muito mal experimentam problemas enormes (e muitas vezes fatais).

Desnecessário será dizer que a excessiva segregação socioeconómica prejudica a concorrência leal. Há uma chance muito pequena de que o filho de um motorista de ônibus possa competir de maneira justa contra uma criança cujos pais são bilionários, devido a diferenças de escolaridade, tutoria, disponibilidade de recursos de informação e até mesmo qualidade da comida, que tem seus efeitos sobre o desenvolvimento do cérebro (muitos desses fatores explicam uma parte significativa da correlação entre genética e QI que observamos empiricamente – pessoas ricas são mais propensas a fornecer ambiente seguro, alimentos nutritivos e alta qualidade, enriquecendo a educação para seus filhos). O conceito de mercado livre não funciona realmente se aqueles que competem têm diferentes condições iniciais.

Falando de mercado livre e do próprio capitalismo, o conceito foi um grande passo do sistema feudal, na época. A competição foi encorajada (muitos pensadores de Modernidade, incluindo Adam Smith, viram humanos se esforçarem para competir uns contra os outros como uma fonte de energia que pode ser colhida e usada para mover Civilização para frente, como vapor de alta pressão de água fervente que fornece energia cinética para maquinário pesado). E foi, de fato, trabalhando na época. Mas, infelizmente, essas coisas só funcionam corretamente nos estágios iniciais do capitalismo. À medida que o sistema avança, aqueles que acumulam enorme riqueza tornam-se tão poderosos que podem mudar as regras do jogo a seu favor. Vimos como os Estados que atuam contra os interesses das instituições transatlânticas têm uma guerra econômica contra eles, com outros poderes forçados a introduzir ilegalmente sanções contra seus próprios interesses econômicos; mesmo os regulamentos convencionais da ONU e da OMC não ajudam – os países são forçados a combater guerras de sanções sem benefícios econômicos previsíveis, tudo porque a tomada de decisão é influenciada pelas figuras que jogam em seus interesses pessoais, sem consideração pelos interesses dos todos os outros.

Se não for controlado por muito tempo, o mercado livre tende a distribuir riqueza de uma maneira que cria entidades financeiras / industriais supermassivas que agem acima do sistema, entidades que alteram o sistema da maneira que bem entenderem, criando monopólios e abusando do poder. Assim, temos todas essas famílias e entidades industriais / financeiras, como os Rockefellers, Rothschilds, Morgans, o complexo industrial militar dos EUA e todos os outros atores que tentam manter seu poder e enriquecer às custas de todos os outros (por exemplo, começar guerras para vender mais armas e obter mais dinheiro de investimentos, destruindo países e regiões inteiras para eliminar concorrentes e criar mão-de-obra humana barata, e tal, sem absolutamente nenhuma consideração pelo direito internacional ou por princípios morais convencionais). É apenas a triste mecânica do capitalismo que começa a se manifestar depois que o sistema progride além de um estágio ideal.

Altamente desigual e, mais importante, a distribuição injusta da riqueza é uma questão sistêmica profunda nos dias de hoje, em praticamente todos os domínios da nossa sociedade. O CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, por exemplo, tem um valor equivalente aos salários anuais de centenas de milhares de programadores de alto nível / engenheiros de software. Faça uma pergunta a você mesmo: quem é mais importante para o Facebook e para o progresso da Humanidade em geral: centenas de milhares de programadores altamente qualificados ou um Zuckerberg? É improvável que a resposta seja a favor de Zuckerburg, especialmente considerando que pessoas e entidades como ele normalmente usam seus ativos financeiros para ganhar ainda mais poder à custa de todos os outros.

O mais perturbador é que a desigualdade econômica vem aumentando em todo o mundo nos últimos anos. Nos Estados Unidos, por exemplo, as pessoas cujos salários estão nos 5% mais altos do país estão vendo seus salários subindo quase quatro vezes mais rápido do que os salários dos trabalhadores americanos regulares. A Rússia viu recentemente um aumento acentuado no número de pessoas excessivamente ricas, mostrando um aumento de 19,7% no número de milionários em 2017, com o número total de bilionários aumentando também, enquanto a população russa em geral tem experimentado um declínio constante na riqueza, com poder de compra médio diminuindo 11% desde que as elites ocidentais lançaram a guerra de sanções contra o país em 2014. Na Austrália, os salários médios têm crescido significativamente mais lento que a taxa de inflação, significando que, apesar do crescimento técnico nos lucros, trabalhadores australianos na verdade estão perdendo seu poder de compra, enquanto os CEOs e outros altos executivos estão desfrutando das maiores taxas de aumento salarial em anos. Outros países mostram dinâmicas semelhantes.

Além disso, os números oficiais dizem que, em janeiro de 2017, os 8 homens mais ricos do mundo tinham tanta riqueza quanto a metade mais pobre da população global! Apenas alguns anos atrás, o número era de 62 contra 3,6 bilhões. Hoje são oito! E esses são apenas os números oficiais (podemos apenas especular o quanto as famílias super-ricas e os conglomerados realmente possuem).

Sistemas sociais com enormes lacunas de riqueza são instáveis. Por isso, temos visto toda essa instabilidade no mundo nos últimos anos.

Claro, é impossível tornar a riqueza de todos igual. Eu pessoalmente não sou um grande fã das ideias esquerdistas radicais (algumas delas estão totalmente fora de sintonia com a realidade, na minha opinião). Algumas pessoas sempre serão mais talentosas, mais astutas e mais trabalhadoras do que as outras, naturalmente (e merecidamente!) Obtendo mais recursos do que seus pares (é desnecessário dizer que a desigualdade de poder não surge apenas da diferença de riqueza material). Ninguém pode cancelar a distribuição estatística normal observada na natureza, afinal. Além disso, um pouco de competição saudável é necessário para a sobrevivência da Humanidade. Mas ainda é necessário tentar regular os processos que levam a grandes lacunas de riqueza. Lacunas de riqueza grandes e desajustadas levam a abusos de poder sistêmicos, que, dada a globalização da capital e o estado atual de nosso sistema capitalista, podem levar a um colapso total, que seria seguido por desastres de proporções bíblicas.

Eu recomendaria tentar cultivar o conhecimento e a compreensão do mundo em que vivemos, e tentar desenvolver o recurso mais precioso que a Humanidade tem – a capacidade intelectual. Todos nós precisaríamos lidar com os desafios que teríamos que enfrentar em breve.

Denis Churilov

 

Informar para educar - Educar para formar - Formar para transformar

PRIVACIDADE

TODOS OS DIRETITOS RESERVADOSGAZETAVALEPARAIBANA-2007